Carregando...
Midiacon News
www.MIDIACON.com.br
Busque por Notícias
Midiacon - Sua mídia conectada
Terça-feira
17 de outubro de 2017
8 de junho de 2017 - 10:24 Aliados de Temer calculam "sangria" de 40 dias para rito da denúncia da PGR
Aliados de Temer calculam "sangria" de 40 dias para rito da denúncia da PGR

Foto divulgação Clique para ampliar a imagem

Publicidade

Prevendo um placar apertado porém favorável ao governo no TSE, aliados de Michel Temer fazem contas e consultam técnicos da Câmara sobre o dia seguinte ao julgamento: a eventual denúncia da Procuradoria-Geral da República contra o presidente.

Nos últimos dias, as principais lideranças da base aliada discutiram o tema e, junto ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia, calculam que o governo enfrentará uma batalha de cerca de 40 dias para impedir o avanço de uma denúncia de Rodrigo Janot contra Temer.

Deputados disseram ao blog que, quando a denúncia chegar à Câmara, Maia precisa numerá-la e enviá-la para a Comissão de Constituição e Justiça analisar.

Após as 15 sessões e pedido de vistas previstos, vota-se um parecer favorável ou contrariamente à denúncia na comissão.

Independentemente do resultado, afirmam os parlamentares, a decisão precisa ser submetida ao plenário da Câmara.

É aí palco da batalha final do governo, que precisa de 171 votos para derrotar a denúncia, assim como funciona um processo de impeachment.

O artigo 86 da Constituição diz que, admitida a acusação contra o Presidente da República, por dois terços da Câmara dos Deputados, será ele submetido a julgamento perante o Supremo Tribunal Federal, nas infrações penais comuns, ou perante o Senado Federal, nos crimes de responsabilidade.


"Na chuva"
O governo acredita ter os votos para barrar a denúncia. Mas aliados afirmam que, assim como no TSE, quanto mais tempo Temer ficar na "chuva", maior a chance de fatos novos, como novas delações envolvendo o presidente além de prisões de aliados.

E, na avaliação de um dos principais interlocutores de Temer, no meio do caminho dos 40 dias tem recesso parlamentar. A Câmara para os trabalhos em 15 de julho, o que pode jogar a análise da denúncia para o segundo semestre a depender da data em que ele for apresentada.

Diz o aliado de Temer: "a Câmara para os trabalhos, os fatos novos, não".

O governo acredita que a crise política tem "prazo de validade" e diminuirá em setembro, quando acaba o mandato de Janot à frente da PGR.

No TSE, a expectativa do governo é de 4 x 3 contra a cassação - mas o Planalto acredita que o Ministério Público Eleitoral possa recorrer ao Supremo Tribunal Federal da decisão final, se houver matéria constitucional.

Fonte: Portal G1
© Copyright 2006 - Midiacon - Todos os direitos reservados
info@midiacon.com.br - Tel.: +55 11 3796 2965
Desenvolvimento mastermedia