Carregando...
Midiacon News
www.MIDIACON.com.br
Busque por Notícias
Midiacon - Sua mídia conectada
Sexta-feira
21 de setembro de 2018
4 de maio de 2018 - 10:57 "Doleiro dos doleiros", Darío Messer aparece em investigações desde os anos 80
"Doleiro dos doleiros", Darío Messer aparece em investigações desde os anos 80

Portal G1 Clique para ampliar a imagem

Publicidade

Alvo da Operação Câmbio, Desligo, Messer é citado em sucessivos escândalos, como Banestado, Mensalão, Swissleaks e Propinoduto.

"Gigantesca rede de lavagem de dinheiro" é a dimensão dada pelo Ministério Público Federal no Rio de Janeiro a esquema atribuído a Darío Messer, o "doleiro dos doleiros". Com prisão decretada pela Justiça Federal, Messer foi o principal alvo de operação do MPF realizada nesta quinta-feira (3) para desmembrar uma organização criminosa que teria movimentado, desde 2011, R$ 6 bilhões.

Há mandado de prisão contra ele no Paraguai, e seu nome já foi incluído na Difusão Vermelha da Interpol, o que em tese dificultaria deslocamento por aeroportos.

Engenheiro por formação, Darío Messer está no radar da Polícia Federal há cerca de 30 anos, com citações em inquéritos policiais desde o fim dos anos 1980. Já naquela época, o doleiro aparecia como operador de personalidades do Rio. Por exemplo, Waldomiro Paes Garcia, o Miro, então patrono da escola de samba Acadêmicos do Salgueiro.

Há 15 anos, a Comissão Parlamentar de Inquérito do Banestado também esbarrou em Messer. Foi descoberta uma movimentação de R$ 8 bilhões de forma irregular entre 1996 e 2002 ligada ao doleiro. Na ocasião, houve pedido de indiciamento de Messer, que não foi sequer preso.

Em mais um caso milionário, Messer acabou citado em depoimentos no esquema de envio irregular de US$ 33 milhões para o exterior por fiscais da Fazenda do RJ e auditores fiscais. O escândalo ficou conhecido como "Propinoduto".

Já no escândalo do "Mensalão", a PF apontou o doleiro como responsável por enviar US$ 1 bilhão de forma irregular para o exterior e entregar o dinheiro, em reais, no Banco Rural para integrantes do PT. O doleiro foi citado, ainda, em investigação acusado de ser dono de uma offshore no Panamá no caso do Swissleaks.

Messer também era "figurinha carimbada" no Conselho de Controle de Atividades Financeiras, o Coaf. Pelo órgão, foram expedidos, pelo menos, cinco relatórios sobre o doleiro que atestavam irregularidades em transações financeiras entre 2010 e 2015.

Dois desses documentos foram enviados para a Polícia Federal, em 2012 e 2015, outro para a Polícia Civil do RJ em 2014 e mais um para a Receita Federal, em 2015. Uma unidade financeira no exterior também recebeu informações sobre Messer. O nome desta última é mantido sob sigilo pelo Coaf.

Investigadores indicam, ainda, que Messer atua como uma espécie de "banco" de outros doleiros. Quando eles não têm dinheiro para atender os seus clientes, Messer empresta o valor necessário para que o doleiro possa cumprir com o acordo.

Na decisão desta quinta-feira que determina a prisão do doleiro, o juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, escreve: "Tendo agido como financiador por algumas vezes do dinheiro necessário para a formação de capital de giro indispensável às transações".

O doleiro é conhecido por frequentar festas na alta sociedade carioca. Tem entre amigos jogadores de futebol e políticos. Em uma busca e apreensão a seu apartamento em 2004, policiais federais encontraram um quadro do pintor Portinari, na cobertura que tem no Leblon, na Zona Sul.

Influente, ao se estabelecer no Paraguai, Messer virou amigo do presidente do país. Uma investigação local aponta o doleiro como um dos interessados em financiar um cassino.

Em nota, os advogados de Darío Messer informaram que ele "se pronunciará exclusivamente nos autos do processo".

'Câmbio, desligo'
Na atual investigação que conseguiu que a Justiça decretasse a prisão do doleiro, foi revelado que Messer tinha codinome "Cagarras", apelido que guarda referência com o Arquipélago das Cagarras, ou simplesmente Ilhas Cagarras.

O conjunto de ilhas é tão conhecido pelos cariocas quanto o endereço em que Messer vivia, a Avenida Delfim Moreira, no Leblon, onde ele tem uma cobertura. Nesta quinta, Messer foi procurado por policiais federais, mas não estava em casa e é considerado foragido.

Durante as investigações, os procuradores da Lava Jato só conseguiram chegar a Messer depois que velhos conhecidos dele, também doleiros, foram presos e firmaram acordo de colaboração premiada com o órgão.

Claudio Barbosa, conhecido como "Tony" ou "Peter", e Vinicius Claret, o "Juca Bala", descreveram com detalhes aos representantes do MPF a "complexa rede de câmbio paralelo" baseada no Uruguai.

Para o MPF, Messer era o dono de um sistema online que conectava doleiros em 52 países. Os investigadores dizem que para fazer as movimentações, eles utilizavam contas de 3 mil empresas "offshore", em paraísos fiscais. Assim, o dinheiro movido pelos doleiros não chamava atenção das autoridades e também estava livre de impostos.

Na prática, o sistema atribuído a Messer funcionava como um banco clandestino de compensação, que conciliava interesses de clientes. Políticos e empresários podiam entregar reais aos doleiros, no Brasil, e receber em moeda estrangeira, lá fora. O contrário também podia ser feito: depositar dólares fora do país, e pegar reais aqui no Brasil.



Fonte: Portal G1
© Copyright 2006 - Midiacon - Todos os direitos reservados
info@midiacon.com.br - Tel.: +55 11 3796 2965
Desenvolvimento mastermedia