Carregando...
Midiacon News
www.MIDIACON.com.br
Busque por Notícias
Midiacon - Sua mídia conectada
Quinta-feira
13 de dezembro de 2018
30 de novembro de 2018 - 11:5 CCR cita caixa 2 para ex-secretário de Alckmin e campanhas do PT em SP
CCR cita caixa 2 para ex-secretário de Alckmin e campanhas do PT em SP

Portal G1 Clique para ampliar a imagem

Publicidade

Edson Aparecido, Aloisio Mercadante, Luiz Marinho, Emídio de Souza e Antonio Mentor são citados em termo, segundo apurou a GloboNews. Executivos da empresa admitiram que pagaram caixa dois para campanha de políticos paulistas do PSDB, PT e PSD.

O Grupo CCR, que tem concessões de rodovias em São Paulo, fechou um acordo milionário com o Ministério Público Estadual. Executivos da empresa admitiram que pagaram caixa dois para campanha de políticos do estado, como os ex-governadores José Serra e Geraldo Alckmin (PSDB), o ex-ministro Gilberto Kassab (PSD) e a ex-senadora Marta Suplicy, quando estava no PT.

A GloboNews teve acesso a outros cinco nomes de políticos citados por executivos e ex-executivos da CCR durante a negociação do acordo assinado nesta quinta-feira (29) com o Ministério Público do Estado de São Paulo: Aloizio Mercadante, Luiz Marinho, Emídio de Souza e Antonio Mentor, todos do PT, e Edson Aparecido, do PSDB, ex-secretário da Casa Civil do governo Alckmin e atual secretário de Saúde da Prefeitura de São Paulo na gestão Bruno Covas. Os políticos negam recebimento de recursos ilícitos.

A investigação em São Paulo começou após a delação premiada do operador Adir Assad à Lava Jato. Os promotores paulistas tiveram acesso à delação e interrogaram Assad, que deu detalhes de como se aproximou do grupo CCR, que administra rodovias importantes no estado.

Assad contou que se reuniu na sede da CCR com Renato Valle, presidente do grupo na época, e que apresentou um projeto de patrocínio das empresas dele de stock car para que a CCR fizesse publicidade.

Assad ressaltou que todos os contratos firmados entre as empresas dele e a CCR ocultavam o esquema de devolução de 80% dos valores correspondentes. Os promotores de São Paulo passaram a investigar os executivos da companhia. O Ministério Público descobriu que cerca de R$ 44 milhões em valores atuais, que voltaram para a CCR, foram usados para financiar campanhas eleitorais de políticos paulistas via caixa dois. Como a CCR é uma concessionária de serviço público, não poderia fazer doação a campanhas eleitorais de forma lícita.

Veja os políticos citados
Aloizio Mercadante (PT) - Foi beneficiário de R$ 1,7 milhão de caixa 2 recebido em 2010, quando foi candidato a governador do Estado de São Paulo pelo PT. Senador pelo Estado de SP entre 2003 e 2010, Mercadante foi ministro da Educação, da Ciência e Tecnologia e da Casa Civil durante os governos Dilma Rousseff (2011-2015).

Emídio de Souza (PT) - Pediu a um executivo da CCR R$ 3 milhões para a campanha de Mercadante de 2010. Foi a partir desse pedido que houve a destinação do R$ 1,7 milhão de caixa 2. Emídio foi prefeito duas vezes de Osasco, cidade da Grande São Paulo, já foi presidente do Diretório Estadual do PT.

Antonio Mentor (PT) - Recebeu R$ 150 mil de caixa 2 em 2012. Mentor foi deputado estadual pelo PT em São Paulo por vários mandatos. Não conseguiu se eleger para o cargo na eleição deste ano.

Luiz Marinho (PT) - Recebeu R$ 60 mil em 2012 supostamente com a ajuda do delator Adir Assad, por meio da compra de convites para um jantar de campanha do PT, comprados pelo próprio Assad. Ministro do Trabalho e da Previdência durante o governo Luiz Inácio Lula da Silva, Marinho foi prefeito de São Bernardo do Campo por dois mandatos. Foi candidato a governador de São Paulo pelo PT neste ano.

Edson Aparecido (PSDB) - Recebeu R$ 340 mil, entre dezembro de 2012 e março de 2013, por meio de terceiros. Atual secretário de Saúde da gstão Bruno Covas (PSDB), foi deputado estadual e federal por vários mandatos e foi secretário da Casa Civil do governo Geraldo Alckmin em São Paulo.

Serra, Alckmin, Kassab e Marta
Além deles, o SP2 apurou alguns nomes e valores que constam nos depoimentos do executivos da CCR, sendo:

José Serra (PSDB) - R$ 3 milhões para campanha do senador José Serra, candidato à presidência da república 2010;

Geraldo Alckmin (PSDB) - R$ 4,5 milhões para a campanha do ex-governador Geraldo Alckmin ao governo de São Paulo, também em 2010;

Gilberto Kassab (PSD) - R$ 2,8 milhões ao ministro da Ciência e Tecnologia, Gilberto Kassab, para a criação do PSD

Marta Suplicy (PT) - R$ 1 milhão para Marta Suplicy, na campanha dela ao senado em 2010, quando ainda estava no PT

Campos Machado (PTB) - R$ 1 milhão para acertos de campanha do deputado Campos Machado.

Serra, Alckmin, Machado e Kassab afirmam que tiveram as contas aprovadas pela Justiça.

O que dizem os citados
A defesa de Aloizio Mercadante diz que o ex-ministro "sempre foi muito crítico aos preços dos pedágios praticados nas estradas estaduais e defendeu, como candidato, uma revisão semelhante ao que os governos do PT estabeleceram nas estradas federais". Mercadante desconhece e estranha essa menção, porque nunca recebeu e não autorizou ninguém a solicitar apoio financeiro de empresas concessionárias de pedágio para sua campanha. "O ex-ministro espera ser ouvido e confia inteiramente na investigação e na justiça. A prestação de contas de sua campanha respeitou rigorosamente a legislação, foi aprovada integralmente pela Justiça Eleitoral e está disponível para consulta de qualquer cidadão há 8 anos".

A assessoria de Luiz Marinho disse que todos os valores recebidos pela campanha do ex-prefeito de São Bernardo do Campo constam das prestações de contas, todas devidamente aprovadas pela Justiça Eleitoral.

A assessoria de Edson Aparecido disse que o Secretário Municipal da Saúde desconhece o teor da delação ou qualquer aspecto desta investigação conduzida pelo Ministério Público. Entretanto, afirma com tranquilidade que jamais recebeu recursos ilícitos e que as contas de todas as suas campanhas foram aprovadas pela Justiça Eleitoral.

A assessoria de José Serra declarou que todas as campanhas do senador tucano sempre foram realizadas com rigor técnico, que as contas ficaram a cargo do PSDB e que sempre foram aprovadas pela Justiça Eleitoral.

A assessoria de Gilberto Kassab declarou que todas as doações recebidas pelo PSD obedeceram à legislação e que o ministro aguarda com tranquilidade a divulgação das informações.

A defesa de Geraldo Alckmin afirmou que o ex-governador jamais recebeu recursos da CCR, que o financiamento das campanhas foi sempre dentro da lei, e que ele desconhece o conteúdo do inquérito.

A defesas de Marta Suplicy não retornou o contato da GloboNews.

As defesas de Emídio de Souza e Antônio Mentor não foram localizadas.

A CCR diz que segue contribuindo com as autoridades públicas para esclarecer os fatos que envolvem a companhia.

O Grupo CCR atua na área de infraestrutura, em segmentos de concessão de rodovias, mobilidade urbana, aeroportos e serviços. A companhia é responsável pela administração de algumas das rodovias mais importantes de São Paulo, como a Anhanguera, a Bandeirantes, a Castello Branco e a Raposo Tavares, além de serviços de mobilidade urbana como o Metrô da capital, com as empresas ViaQuatro e ViaMobilidade.





Fonte: Portal G1
© Copyright 2006 - Midiacon - Todos os direitos reservados
info@midiacon.com.br - Tel.: +55 11 3796 2965
Desenvolvimento mastermedia