Carregando...
Midiacon News
www.MIDIACON.com.br
Busque por Notícias
Midiacon - Sua mídia conectada
Terça-feira
20 de agosto de 2019
16 de maio de 2015 - 11:23 Pacientes com sintomas do zika vírus lotam emergências em Salvador
Pacientes com sintomas do zika vírus lotam emergências em Salvador

Pacientes à espera de atendimento na UPA dos Barris nesta sexta-feira Clique para ampliar a imagem

Publicidade

Só oito casos de zika vírus (zikav) foram confirmados na Bahia, pelo Ministério da Saúde (MS), até o momento. Mas as emergências de hospitais particulares e públicos de Salvador estão cheias de pacientes com sintomas da doença, que é transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti - o mesmo que causa a dengue e a febre chikungunya.

Até agora, 5.316 pessoas foram notificadas com suspeita de zika vírus na capital baiana, segundo a Secretaria da Saúde. Outras 8.121 foram sinalizados no interior do estado, somando 13.437 casos suspeitos na Bahia, de acordo com a Secretaria da Saúde do estado (Sesab).

Com pontos brancos ou vermelhos no corpo, febre, dor nas articulações e costas, a estudante Aniele Pereira, 19, procurou atendimento médico ontem, mas precisou ir a dois hospitais da cidade. Primeiro, ao Santa Izabel; depois, ao Português: "Eu cheguei (ao Santa Izabel) às 6h e já não estavam mais atendendo, devido à grande demanda na emergência".

Ela esperava resultado de exames em sala separada, do Hospital Português, ao lado de dez pessoas com os mesmos sintomas. A TARDE tentou contatar a assessoria do Santa Izabel, sem sucesso.

Nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) do município, filas também se formaram ontem. Segundo servidores da unidade do Vale dos Barris, a procura, por pessoas com suspeita da doença, é grande. Mas a equie de reportagem não teve acesso aos pacientes.

Superintendente de Vigilância de Proteção da Saúde da Bahia, Elizabeth França explica que a doença é benigna e não oferece risco de morte às pessoas.

O motivo da superlotação das emergências, segundo ela, deve-se ao grande número de suspeitas, somado à falta de exames laboratoriais que comprovem a patologia. "É uma doença nova, que está em fase de estudos, em institutos de pesquisa. Por isso, é tratada a partir dos sintomas", frisou.

Sinais e sintomas

Após um período de incubação (entre a picada do mosquito e o início de sintomas), de cerca de quatro dias, o paciente começa a apresentar os primeiros sintomas, que podem durar até sete dias. Mas a maior parte dos casos é assintomática. A recuperação ocorre em até sete dias após o surgimento dos primeiros sinais.

"Não existem medidas de controle específicas, uma vez que não se dispõe de vacina ou drogas antivirais. Dessa forma, o controle está centrado em reduzir os riscos de presença do mosquito", esclarece o MS, no portal da saúde.

O pintor industrial Jorge Pereira, 35, foi uma das oito vítimas registradas na Bahia. Ele mora em Camaçari e chegou a ficar internado no Hospital Santa Helena.

"Da primeira vez que fui ao médico, não fizeram exame em mim. Só após ser internado, no quarto dia. Foram dez dias com o zika", lembra ele, que ainda toma remédios para dores no corpo.



Fonte: UOL notícias
© Copyright 2006 - Midiacon - Todos os direitos reservados
info@midiacon.com.br - Tel.: +55 11 3796 2965
Desenvolvimento mastermedia