Carregando...
Midiacon News
www.MIDIACON.com.br
Busque por Notícias
Midiacon - Sua mídia conectada
Sexta-feira
18 de agosto de 2017
24 de março de 2017 - 15:40 3 frigoríficos terão de recolher carnes e reembolsar clientes, determina órgão do governo
3 frigoríficos terão de recolher carnes e reembolsar clientes, determina órgão do governo

Foto divulgação Clique para ampliar a imagem

Publicidade

Carnes de 3 frigoríficos terão que ser recolhidas, determina Senacon
Secretaria Nacional do Consumidor diz que recall deve começar em até 5 dias e que consumidores serão reembolsados. Frigoríficos afetadas são Souza Ramos, Transmeat e Peccin.


frigoríficos Souza Ramos, Transmeat e Peccin, que estão entre os 21 investigados pela Operação Carne Fraca, terão que recolher todos os seus produtos, distribuídos a supermercados e também já vendidos a consumidores.
A determinação foi feita na quinta-feira (23) pela Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), do Ministério da Justiça. Em nota, a Senacon informou que os frigoríficos têm até 5 dias para dar início ao recall.

O G1 procurou a Senacon para saber como o recall será feito e como os consumidores devem proceder, mas não havia recebido resposta até a última atualização desta reportagem.

Dos três, apenas o frigorífico Peccin teve unidades interditadas após a Carne Fraca, em Jaraguá do Sul (SC) e Curitiba. A empresa é suspeita de uso de carne estragada em salsicha e linguiça, uso de carne mecanicamente separada acima do permitido, uso de aditivos acima do limite ou de aditivos proibidos.

O Souza Ramos é suspeito de substituição de matéria-prima de peru por carne de aves e troca de favores por procedimentos fiscalizatórios. Já a Transmeat, por corrupção e injeção de produtos cárneos (água na carne de frango acima do permitido).

Em nota, a Senacon informa que a determinação do recall ocorreu após o Ministério da Agricultura comunicar o resultado de sua auditoria nesses frigoríficos.

Nessas auditorias, foi constatado, segundo a nota, que o frigorífico da Souza Ramos em Colombo (PR), "não detém controle dos processos relacionados a formulação e rastreabilidade de seus produtos não garantindo a inocuidade dos produtos elaborados."

Sobre o frigorífico da Transmeat, que fica em Balsa Nova (PR), a auditoria do ministério apontou que "o estabelecimento não detém controle dos processos relacionados à rastreabilidade dos produtos."

Já em relação à unidade da Peccin de Curitiba, o ministério identificou "suspeita de risco à saúde pública ou adulteração."

"Diante dos fatos, em 23 de março, a Senacon determinou que Souza Ramos, Transmeat e Peccin iniciem em até 5 dias o recall das carnes provenientes dos estabelecimentos mencionados. Todos os proodutos com origem naqueles estabelecimentos devem ser recolhidos, com o devido reembolso ao consumidor, daquilo que for por ele restituído aos pontos de venda", diz a nota da Senacon.

Repercussão
Deflagrada há uma semana, a Operação Carne Fraca repercutiu dentro e fora do Brasil, que é um dos maiores produtores de carne do mundo. As suspeitas levaram alguns dos principais compradores da carne brasileira a suspender a importação, entre eles União Europeia, China, Japão, México, Chile e Emirados Árabes.

Hong Kong, segundo maior importador de carne do Brasil em 2016, que também havia adotado restrições, anunciou nesta sexta (24) que tirará do mercado a carne brasileira supostamente adulterada e procedente dos 21 estabelecimentos investigados na operação.

As restrições à carne brasileira já fizeram despencar as exportações de carne pelo Brasil e causa preocupação em produtores que fornecem os animais para os frigoríficos.

O presidente Michel Temer e o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, vêm apontando exagero na repercussão da Carne Fraca e o risco de a indústria de carne brasileira perder espaço. Nesta sexta, em discurso em São José do Rio Preto (SP), Temer disse que a carne produzida no Brasil é forte e é a "melhor do mundo."

A operação
Deflagrada pela Polícia Federal na semana passada, a Operação Carne Fraca investiga corrupção de fiscais do Ministério da Agricultura, suspeitos de receberem propina para liberar licenças de frigoríficos. Segundo a PF, partidos como o PP e o PMDB também teriam recebido propina.

Além de corrupção, a PF também apura a venda, pelos frigoríficos, de carne vencida ou estragada, dentro do Brasil e no exterior.

As investigações envolvem empresas como a JBS, que é dona de marcas como Friboi, Seara e Swift, e a BRF, dona da Sadia e Perdigão, além de frigoríficos menores, como Mastercarnes, Souza Ramos e Peccin, do Paraná, e Larissa, que tem unidades no Paraná e em São Paulo.

Na segunda, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, já havia anunciado a suspensão das exportações dos 21 frigoríficos investigados pela PF. Três deles fora interditados e pararam a produção. Os outros 18 podem continuar a vender dentro do Brasil.

O Ministério da Agricultura também afastou preventivamente os 33 servidores da pasta que são investigados na Operação Carne Fraca. Segundo o ministério, esses servidores vão responder a processo administrativo disciplinar.


Fonte: Portal G1
© Copyright 2006 - Midiacon - Todos os direitos reservados
info@midiacon.com.br - Tel.: +55 11 3796 2965
Desenvolvimento mastermedia