Carregando...
Midiacon News
www.MIDIACON.com.br
Busque por Notícias
Midiacon - Sua mídia conectada
Sexta-feira
15 de dezembro de 2017
7 de dezembro de 2017 - 12:56 Juiz pede prisão preventiva de Cristina Kirchner sob acusação de acobertar suspeitos de terrorismo
Juiz pede prisão preventiva de Cristina Kirchner sob acusação de acobertar suspeitos de terrorismo

Portal G1 Clique para ampliar a imagem

Publicidade

Magistrado também pediu que a ex-presidente, que atualmente é senadora, perca o foro privilegiado. Senado irá analisar o pedido.

Um juiz federal pediu a prisão preventiva da ex-presidente argentina Cristina Kirchner sob acusação de acobertar criminosos iranianos envolvidos no atentado contra a Associação Mutual Israelita Argentina (Amia). O ataque que aconteceu em 1994 deixou 85 mortos.

O magistrado Claudio Bonadio também pediu que a senadora perca o foro privilegiado, segundo informou nesta quinta-feira (7) jornal "Clarín".

Cristina Kirchner nega as acusações e diz que o governo de Mauricio Macri usa o Poder Judiciário para perseguir opositores.

O caso agora será analisado pelo Senado, mas segundo a imprensa argentina, é improvável que a tramitação avance com rapidez. De acordo com o "Clarín", o regimento interno do Senado argentino, bem como o fato de a casa estar em recesso, poode fazer com que o pedido de perda do foro seja votado em uma questão de meses.

Além disso, a perda do foro teria de ser aprovada por dois terços dos senadores - como a bancada peronista conta com mais de um terço dos assentos da casa, a expectativa é de que o pedido do juiz Bonadio não passe.

O caso Amia e as investigações
O promotor Alberto Nisman denunciou em 2015, dias antes de ser encontrado morto, que a ex-presidente montou um esquema criminal para acobertar os supostos responsáveis pelo atentado a fim de melhorar a relação comercial com o Irã.

Nisman afirmava que um memorando assinado entre a Argentina e o Irã, em 2013, buscava na realidade acobertar, entre outros, o ex-presidente iraniano Ali Akbar Rafsanjani.

O atentado ocorreu em julho de 1994, na sede da Amia, no centro de Buenos Aires. Um braço palestino do grupo libanês Hezbollah, chamado Ansar Allah, reivindicou o ataque. A milícia libanesa é aliada do governo iraniano, ambos xiitas.




Fonte: Portal G1
© Copyright 2006 - Midiacon - Todos os direitos reservados
info@midiacon.com.br - Tel.: +55 11 3796 2965
Desenvolvimento mastermedia