Carregando...
Midiacon News
www.MIDIACON.com.br
Busque por Notícias
Midiacon - Sua mídia conectada
Domingo
22 de setembro de 2019
4 de setembro de 2019 - 12:41 Avião com Huck e Angélica que fez pouso forçado em MS tinha peça invertida: "O motor morreu no ar"
Avião com Huck e Angélica que fez pouso forçado em MS tinha peça invertida: "O motor morreu no ar"

Portal G1 Clique para ampliar a imagem

Publicidade

Polícia deve intimar novamente o piloto e realizar uma reprodução simulada dos fatos, utilizando aeronave semelhante.

A investigação criminal sobre o pouso forçado do avião com o casal de apresentadores Luciano Huck e Angélica em Mato Grosso do Sul apontou que uma peça importante do avião, o capacitor, foi instalado de forma invertida e fez o "motor morrer no ar". A aeronave também levava os filhos do casal, babás e tripulação.

A Polícia Civil deve intimar novamente o piloto Osmar Frattini, que pilotava a aeronave. Além de depoimento, a polícia pretende realizar a reprodução simulada dos fatos, utilizando uma aeronave semelhante.

"Quando falamos em Polícia Civil, existe um inquérito que precisa explicar realmente o que aconteceu. Temos uma peça, que é o capacitor de combustível, que foi instalado invertido, de forma errônea, o que já caracteriza falha na manutenção e com isso já temos o nexo causal", explicou ao G1 a delegada Ana Cláudia Medina, responsável pelas investigações.

"A mesma oficina homologada onde foi feita a manutenção desta aeronave, inclusive, já trabalhava com peças usadas. E, na ocasião, o trabalho foi feito pelo mecânico e ainda passou pelo inspetor, que revisou tudo e assinou embaixo", completou a delegada.

Segundo Medina, quando a Delegacia Especializada de Combate ao Crime Organizado (Deco) assumiu o inquérito, o motor e outras peças da aeronave já tinham sido comercializadas.

"Nós ainda não concluímos porque precisam ser feitas dinâmicas de voo conciliadas com a perícia criminal e o que foi coletado. O piloto deve nos explicar, no cenário, como houve a inversão da peça. Eles constatam a quantidade de combustível e também fazem uma inspeção externa visual, onde verificam o painel internamente, ligam a bateria e lá conferem o nível de combustível, entre outras questões", explicou.

Conforme a polícia, estes procedimentos são do piloto, não é algo que verificam em manual. "Ele faz o acionamento da bateria, que vai ligar o sistema e dar a indicação do nível de combustível. Na ocasião, ele teria visto que estava meio tanque e colocou o restante para encher, só que a leitura estava errada por conta do capacitor invertido, indicando meio, porém, estava zero. Esse conceito errado fez com que houvesse falha no motor", ressaltou.

O perito criminal Sávio Ribas, único do país especializado em fator material (segurança de voo), também reforça a tese. "O piloto achou que não tinha combustível na asaa esquerda e mandou para lá. O motor então morreu no ar. A tese é que é possível voar apenas com um motor e é justamente isso que foi alegado pelo dono da empresa. No entanto, nós sabemos que teve essa questão do capacitor", argumentou.

O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) também levantou hipóteses para o acidente. As informações, no entanto, não podem ser usadas nas esferas administrativas, processuais e penais.

No teor do relatório está o interrogatório com os pilotos e demais funcionários, onde foi apontado que Osmar não teria reagido a alguns procedimentos de emergência, bem como foi informado que, no local de pouso, não tinha cheiro de combustível e a causa do acidente foi pane seca.

Ao G1 o piloto Osmar Frattini disse que ainda não foi informado da reprodução simulada. "A empresa fechou, mas a oficina deles continua aberta e eu nem sei se está regular. Eu estou atuando como piloto, porém, em outra área, com empresário e pecuaristas muito sensatos, que não questionam qualquer valor de manutenção. Se eu for chamado, apenas vou reiterar todas as minhas declarações, falando da manutenção. A Medina está fazendo um excelente trabalho, apreendeu o avião e descobriu a inversão da peça. Eu estou disponível para o que a polícia precisar", afirmou.

Relembre o caso
A aeronave de pequeno porte fez um pouso forçado no dia 24 de maio de 2015, na área de uma fazenda a cerca de 30 km de Campo Grande. No bimotor Embraer, modelo 820 C, matrícula PT-ENM, estava o casal de apresentadores Angélica e Luciano Huck, acompanhado dos três filhos e de duas babás, Marcileia Eunice Garcia e Francisca Clarice Canelo Mesquita. A tripulação era composta por um piloto, Osmar Frattini e um copiloto, José Flávio de Sousa Zanatto.

Na ocasião, a assessoria da Santa Casa de Campo Grande informou que Angélica tinha sofrido escoriações. Os demais também fizeram exames e estavam bem. De acordo com o Corpo de Bombeiros e com a Aeronáutica, o pouso forçado ocorreu em uma propriedade nas imediações da rodovia MS-080, na saída para a cidade de Rochedo.

A aeronave tinha decolado de Estância Caimam, em Miranda, perto de Bonito, e seguia para Campo Grande. Perto da aproximação para o pouso, às 10h52, o piloto avisou à Torre de Controle em Campo Grande que estava em situação de emergência e que faria pouso forçado.

O avião estava com a documentação regular, segundo registros disponibilizados no site da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A inspeção anual de manutenção tinha validade até 12 de junho de 2015.



Fonte: Portal G1
© Copyright 2006 - Midiacon - Todos os direitos reservados
info@midiacon.com.br - Tel.: +55 11 3796 2965
Desenvolvimento mastermedia