Carregando...
Midiacon News
www.MIDIACON.com.br
Busque por Notícias
Midiacon - Sua mídia conectada
Terça-feira
17 de outubro de 2017
14 de março de 2017 - 15:17 Diretor preso da Riotrilhos tentou esconder dinheiro transferindo para esposa, diz MPF
Diretor preso da Riotrilhos tentou esconder dinheiro transferindo para esposa, diz MPF

Portal G1 Clique para ampliar a imagem

Publicidade

Descoberta foi feita através de interceptação telefônica com gerente de banco. 'No IR aparece R$ 21 mil, só que sua renda não é só essa. Sua renda é muito maior né?', diz bancária.

Uma interceptação telefônica feita com a autorização da Justiça revela, segundo o Ministério Público Federal (MPF), uma tentativa do diretor da Riotrilhos de esconder dinheiro obtido através de pagamentos de propina. Ele foi preso nesta terça-feira (14), junto com o subsecretário de Turismo do estado e ex-subsecretário de Transportes, Luiz Carlos Velloso.

A dupla foi detida na Operação Tolypeutes - desdobramento da Lava Jato no Rio que investiga corrupção e pagamento de propina em contratos da Linha 4 do metrô.

O MPF afirma que parte da propina era repassada de uma empresa ligada à Odebrecht, a CBPO. A CBPO é da mulher de Heitor, Luciana Maia, que transferiria o dinheiro para o marido.

Com a quebra do sigilo bancário, os investigadores identificaram transferência de R$ 10 milhões de Luciana para Heitor. Eles também interceptaram uma ligação telefônica entre Heitor Lopres e a gerente de um banco, Patrícia Cavalcante.

PATRÍCIA: Porque o meu receio é exatamente, por exemplo, o meu receio é quando na hora, já que eles tão focalizando muito na conta de vocês, diretor, eles olharem que você mudou pra conta da Luciana R$ 1 milhão depois achar né... que tipo assim... você está querendo esconder alguma coisa. Porque no Imposto de Renda aparece a renda de R$ 21 mil, só que sua renda não é só essa. Sua renda é muito maior né?

HEITOR: Tá.

Obra de R$ 10 bilhões
Segundo o acordo de leniência de executivos da Carioca Engenharia, o esquema de corrupção que existia na Secretaria de Estado de Obras do RJ, com a cobrança de propina das empreiteiras envolvidas em contratos bilionários de obras civis - revelado em operações anteriores da Lava Jato -, também se repetia na Secretaria de Estado de Transporte.

De acordo com depoimentos, Heitor recebia a propina no canteiro de obras e em dinheiro vivo. Ele era sócio de duas empresas que prestavam serviço para a construção da Linha 4 do metrô, inaugurada pouco antes da Olimpíada do Rio, ligando Ipanema, na Zona Sul, à Barra da Tijuca, na Zona Oeste.

As obras custaram cerca de R$ 10 bilhões. Além da Carioca Engenharia, outras duas grandes construtoras formavam o Consórcio Rio Barra, responsável por parte da obra: a Odebrecht e a Queiroz Galvão.
A equipe de reportagem não conseguiu contato com os advogados de Heitor Lopes, Luiz Carlos Velloso, Luciana Maia, Renata Monteiro Borges e Patrícia Cavalcante.

A RioTrilhos disse que desconhece o teor das acusações e se coloca à disposição para esclarecimentos.

A Carioca Engenharia disse que não vai comentar a operação. A CBPO, ligada à Odebrecht, não havia respondido até última atualização desta reportagem.
Em nota, a Secretaria de Estado de Turismo informou que Velloso vem exercendo as funções de subsecretário desde janeiro de 2015 com lealdade e competência.



Fonte: Portal G1
© Copyright 2006 - Midiacon - Todos os direitos reservados
info@midiacon.com.br - Tel.: +55 11 3796 2965
Desenvolvimento mastermedia