Carregando...
Midiacon News
www.MIDIACON.com.br
Busque por Notícias
Midiacon - Sua mídia conectada
Quinta-feira
21 de setembro de 2017
16 de março de 2017 - 10:15 Operação busca prender 11 suspeitos de furtar óleo de dutos da Petrobras no Rio
Operação busca prender 11 suspeitos de furtar óleo de dutos da Petrobras no Rio

Foto divulgação Clique para ampliar a imagem

Publicidade

A Polícia Civil e o Ministério Público (MP) do Estado do Rio de Janeiro cumprem hoje (16) 11 mandados de prisão preventiva contra acusados de furtar petróleo e combustíveis de dutos da Petrobras, na Baixada Fluminense. De acordo com o MP, em 2016, o grupo desviou 14 milhões de litros e causou um prejuízo de R$ 33 milhões à empresa.

Além dos mandados de prisão, a 3ª Vara Federal Criminal de Duque de Caxias, na Baixada, expediu 26 mandados de busca e apreensão. Os agentes da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente da Polícia Civil e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do MP cumprem mandados nos estados do Rio de Janeiro, de São Paulo e Minas Gerais. O Núcleo de Inteligência para Derivações Clandestinas da Petrobras apoiou as investigações.

Os acusados foram denunciados à Justiça pelos crimes de organização criminosa para a prática de furto qualificado de combustível e de petróleo cru. A quadrilha teria atuado entre junho de 2015 e março deste ano.

Segundo o MP, eles utilizavam a técnica da trepanação, que consistia na instalação de uma derivação clandestina na tubulação perfurada sem que haja a necessidade de fechar o abastecimento do produto. Ligações clandestinas foram instaladas em vários pontos da tubulação, em Caxias, Magé e Nova Iguaçu, inclusive próximo ao Arco Metropolitano.

A organização se dividia em três grupos: um sediado no Rio, outro em São Paulo e um terceiro em Minas Gerais. O MP acredita que o núcleo fluminense, responsável por perfurar os tubos, retirar os combustíveis e vendê-los para outros estados, era chefiado por um ex-vereador de Duque de Caxias, Denilson Silva Pessanha (conhecido como Maninho e Carioca).

Os núcleos nos outros estados eram responsáveis pela receptação do combustível. Eles tinham, inclusive, refinarias para processar o óleo cru, segundo a denúncia do MP. Entre os presos há também proprietários de postos de combustíveis, que sabiam da origem ilícita do produto e mesmo assim o revendiam, e pessoas que arrendavam os terrenos onde as perfurações ocorriam.

Alguns integrantes da quadrilha já respondem por furto qualificado de combustível em processos isolados nas Comarcas de Magé e Vila Inhomirim. Maninho responde por crimes de tentativa de homicídio e tortura, entre outros, na Comarca de Duque de Caxias.



Fonte: Agência Brasil
© Copyright 2006 - Midiacon - Todos os direitos reservados
info@midiacon.com.br - Tel.: +55 11 3796 2965
Desenvolvimento mastermedia