Carregando...
Midiacon News
www.MIDIACON.com.br
Busque por Notícias
Midiacon - Sua mídia conectada
Quinta-feira
19 de abril de 2018
17 de abril de 2018 - 11:15 FMI melhora previsão para PIB do Brasil e estima alta de 2,3% em 2018
FMI melhora previsão para PIB do Brasil e estima alta de 2,3% em 2018

Foto divulgação Clique para ampliar a imagem

Publicidade

Apesar da revisão, projeção do FMI continua abaixo da estimada pelo mercado brasileiro. Para 2019, previsão de crescimento passou de 2,1% para 2,5%.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) melhorou sua previsão de crescimento para o Produto Interno Bruto do Brasil em 2018. De acordo com relatório de pespectivas para a economia mundial divulgado nesta terça-feira, a economia brasileira deverá avançar 2,3% neste ano.

O número representa um aumento de 0,4 ponto percentual em relação à última estimativa apresentada em janeiro, de 1,9%, mas a performance do país ainda estará muito aquém da média global e das economias emergentes.

O FMI também revisou a projeção para 2019. O Fundo prevê agora um crescimento de 2,5% ante estimativa anterior de alta de 2,1%.

"Após profunda recessão em 2015-16, a economia do Brasil voltou a crescer em 2017 (1%) e espera-se que melhore para 2,3% em 2018 e 2,5% em 2019, impulsionado por consumo privado e investimento mais fortes", destacou o FMI em relatório.

No documento, o FMI cita que a inflação no Brasil está próxima do mais baixo nível histórico e diz que o crescimento de 2,3% esperado para a economia do país neste ano e de 2,5% para 2019 deve ser sustentado pelo consumo e investimento privado mais fortes.

Para o médio prazo, o FMI projeta um crescimento mais moderado, de 2,2%, impactado pelo "envelhecimento da população e pela produtividade estagnada".

"No Brasil, a Reforma da Previdência continua sendo uma prioridade para garantir que os gastos (do governo) sejam consistentes com as leis fiscais para garantir sustentabilidade no longo prazo", destacou o documento. O FMI também recomendou ao país reduzir as barreiras alfandegárias e não alfandegárias para melhorar a eficiência e aumentar a produtividade.

Em um ano eleitoral, o FMI destacou os riscos do atual ambiente político para a economia. "A incerteza política aumentou os riscos para implementar reformas, ou a possibilidade de reorientar as agendas", destacou o relatório, citando também México e Colômbia, ambos com eleições marcadas para este ano.

No setor desemprego, o fundo disse que a taxa continuará elevada: 11,6% em 2018 e 10,5% em 2019, embora menor que os 12,8% registrados no ano passado.

Mesmo assim, o organismo destacou a queda da inflação - atualmmente em 2,68% no acumulado de 12 meses - e a flexibilização da política monetária, que permitiu levar a taxa básica de juros, a Selic, a 6,5%, ante 14,25% em outubro de 2016.

Estimativa do FMI é menor que a da média do mercado
Apesar da revisão para cima, a projeção do FMI continua abaixo da média das estimativas dos analistas do mercado brasileiro.

Para o resultado do PIB em 2018, os economistas dos bancos baixaram a previsão de crescimento de 2,80% para 2,76%, segundo pesquisa focus do Banco Cental divulgada na véspera. Foi a terceira queda seguida do indicador. Para o ano que vem, a expectativa do mercado para expansão da economia continua em 3%.

Os números deste ano, no entanto, vêm perdendo força nos últimos meses, com dados econômicos mais fracos. Na véspera, por exemplo, foi divulgado que o Índice de Atividade Econômica do BC (IBC-Br), espécie de sinalizador do PIB, apresentou expansão de apenas 0,09% em fevereiro na comparação com o mês anterior.

O Produto Interno Bruto é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia. Em 2016, o PIB teve uma retração de 3,5%. Em 2017, cresceu 1% e encerrou a recessão no país.

FMI mantém previsão de crescimento global de 3,9%
O FMI manteve a projeção de crescimento global de 3,9% tanto para este ano quanto para o próximo, ao mesmo tempo em que vê as economias emergentes e em desenvolvimento crescendo 4,9% e 5,1%, respectivamente. Em janeiro, o fundo calculava a expansão desse grupo em 4,9% em 2018 e 5% em 2019.

"Embora a alta taxa de crescimento reflita principalmente a continuidade do forte desempenho na Ásia emergente, a captação projetada mostra melhores perspectivas para exportadores de commodity depois de três anos atividade econômica muito fraca", explicou o FMI.

Para a América Latina e Caribe, a expansão calculada é de 2% neste ano e de 2,8% em 2019, ligeiramente acima do projetado no levantamento anterior.

"A recuperação é gradual do crescimento continua na América Latina e Caribe, uma região gravemente afetada pela queda nos preços das commodities em 2014-16", trouxe a entidade.

O fundo também chamou a atenção para a cena política incerta, que poderá acabar em nova agenda, "inclusive no contexto das próximas eleições ou suas conseqüências imediatas em vários países (como o Brasil, a Colômbia, a Itália e o México)".



Fonte: Portal G1
© Copyright 2006 - Midiacon - Todos os direitos reservados
info@midiacon.com.br - Tel.: +55 11 3796 2965
Desenvolvimento mastermedia